Páginas

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Datas Comemorativas

Em muitos momentos de nossa atuação docente, esbarramos nesse assunto e ao mesmo tempo, queremos fugir dele, por demandar da escola nesse contexto, muita argumentação e paciência para lidar com a diversidade cultural de nosso país. Especialmente na Educação Infantil e Ensino Fundamental I, temos o interesse em trabalhar datas comemorativas como inserção das crianças no acesso à cultura popular, o que é um dos objetivos do ensino nessa etapa. Mas em contrapartida, existem muitas religiões que proíbem danças, fantasias e até mesmo, a audição de determinadas músicas que não sejam do estilo gospel. Compreendo que o respeito deve sempre prevalecer, mas é justo que os pais privem as crianças desse momento diferenciado com os amigos por conta de uma crença que elas nem escolheram, mas convivem? Como lidar?
Acredito que primeiramente, precisamos conversar com todos os responsáveis, seja através de bilhetes ou na reunião de pais mesmo, falando da importância desses momentos na formação cultural do indivíduo, da necessidade do faz de conta nessa faixa etária, do valor dessa situação escolar para a convivência com a diversidade e a percepção do diferente como positivo, não gerando assim, situações de intolerância e discriminação de qualquer ordem. Os pais que não aceitarem a situação, aceite e aja com respeito. Há momentos em que os pais que não aceitaram, ao ver o interesse das crianças em participar, acabam por não mais resistir, autorizando a participação dos pequenos no evento.
O que, ao meu ver não é positivo, é a instituição abrir mão da maioria dos pais que acataram a realização do evento para satisfazer a minoria que não tolera o diferente e desvaloriza a própria cultura de seu país, desvalorizando os valores institucionais e a decisão majoritária. O diálogo e a compreensão de ambos os pontos são muito importantes, pois os responsáveis devem ter ciência de que a escola não trabalha a cultura de forma pejorativa como muitos imaginam, mas sim, de forma consciente e saudável, afinal, as crianças também vivem no mundo como nós, precisam cada vez mais se apropriarem desse espaço e das vivências que nele ocorrem para que possam escolher e decidir sobre seus pontos de vista, opiniões e formas de ver o mundo. 
A diversidade e a valorização cultural fazem parte dos objetivos das instituições laicas,  imparciais e democráticas, o que deve ser debatido e respeitado em favor de uma educação que valoriza, respeita, tolera e não discrimina.
Qual sua opinião sobre esse tema? Comente aqui seu ponto de vista, 
Atenta e democrática, Alice.

Nenhum comentário:

Postar um comentário